Sim Senhor Juízes, vocês são a nossa maior vergonha.

O público de hoje traz uma notícia revoltante, aliás como costuma ser apanágio nos últimos tempos em Portugal. Segundo o jornal o Tribunal da Relação deu razão à cadeia de Hoteis Sana Hotels no despedimento de um cozinheiro, porque, pasme-se o cozinheiro era portador do vírus da SIDA.

Sim a SIDA, aquela doença transmissível APENAS por relações sexuais não protegidas, via endovenosa ou por via materno-fetal. Claro que isto para os senhores juizes sabem tudo dos tribunais portugueses não quer dizer nada. Importa muito mais os seus medos e crenças judaico-cristãs e vai disto armam-se em purificadores da inquisição.

O tribunal optou por não olhar para dois pareceres científicos, que desmentem os riscos de transmissão do cozinheiro e o tribunal armou-se em produtor de ciência afirmando

“ficou provado que A. é portador de HIV e que este vírus existe no sangue, saliva, suor e lágrimas, podendo ser transmitido no caso de haver derrame de alguns destes fluidos sobre alimentos servidos ou consumidos por quem tenha na boca uma ferida”

Ora o tribunal afirmou ainda que o caso em questão “não tinha a ver com os riscos conhecidos de transmissão da doença mas com a possibilidade desses riscos.” Lindo jogo de palavras.

Ou seja o tribunal começou a julgar no reino das possibilidades. Ora no reino das possibilidades o vírus da SIDA pode transmitir-se por via aérea e portanto os senhores juízes que estiveram na mesma sala que o cozinheiro se calhar agora deviam ser despedidos por serem portadores, não? Isto tudo em possibilidade, claro.

Isto é o resultado de uma cultura do medo, do olhar para a sida como se olhava para os doentes de câncro há uns anos. São pessoas que tem a “peçonha” senhores Juízes, e vocês mostraram-no muito bem… Será que os senhores juízes a partir de agora vão apertar a mão na rua a todos os que vos interpelem? Ou há o risco de eventualmente essa pessoa ser portadora de vírus da sida e vão portanto proibir que aperte a mão a alguém?

Não sei se este caso terá ainda recurso para o Supremo, mas que é triste ver isto neste estado é. Será que vamos ter um prós e contras na RTP para que os senhores juízes defendam a vossa integridade superior e o vosso sentido de protectores do estado?

Uma resposta

  1. o hiv+ (qq tipo) não sobrevive ao contacto com o ar. não faz sentido alegar o contacto pela comida, lagrimas ou suor.

    pela nova lei do trabalho em vigor desde 2007, o patronato pode alegar este motivo (ou outro qq) sempre que quiser despedir um funcionário com hiv+. E ganha sempre.

    Portugal no seu melhor.

Os comentários estão fechados.

%d bloggers like this: