A triste Europa e a UE-AAA

Ao ler a notícia de que o presidente do Zimbabwe vem à cimeira UE-África não posso deixar de fazer um reparo.

A Europa tem ainda manias colonialistas e alvoroçou-se com a ideia de organizar uma conferência UE-África, mas depois queria escolher à la Carte até que se lembrou que já não era imperatriz do continente africano. Porra, alguém que avise os governantes europeus que o seu quintal é mais pequeno que o seu ego.

Com isto não quero dizer que ache o senhor Mugabe o que quer que seja. Atenção que eu não estou a defender o senhor Mugabe. Agora se ele é presidente de um país africano não há conferências UE-Africa sem todos estarem presentes e isto inclui mesmo aqueles com quem não concordamos. Ou então andaremos a fazer conferências UE-AAA (Alguns Amigos Africanos).

Hm? Mas afinal não era isto que o Sócrates estava a pensar quando falou numa Conferência UE-África?

Uma resposta

  1. É uma questão muito pertinente. Cortar os apoios e relações políticas com países que manifestam claramente políticas opressivas e ditatoriais.

    Sinceramente, não me aquece nem arrefece que o Presidente do Zimbabwe não compareça — pode ser que seja como sinal de aviso que alguma coisa tenha de mudar. A Europa, por si, demonstraria ética, pois estaria a declinar uma situação que é humanamente inaceitável (cf. com invadir o país, algo mais ao estilo Americano).

Os comentários estão fechados.

%d bloggers like this: