Eleições americanas

Foto de kagey_b

Já falei aqui das eleições americanas e apesar de serem mais ou menos como as nossas cá pela chafarica, tem uma coisa interessante: Tudo é proporcionalmente maior. Os gastos, os discursos, os debates, os comentários e os comentadores… Tudo se processa numa escala incompreensível para quem vê a política portuguesa pelo canudo dos mesmos de sempre, chatos, chatérrimos aliás… comentadores (já uma vez apelidados de “paineleiros”) nacionais.

Uma das questões que se coloca agora na campanha para as primárias e depois de 10 vitórias consecutivas de Obama é porque a Hillary ainda não atirou a toalha ao tapete para não prejudicar o partido. Eugene Robinson coloca a pergunta melhor que eu no artigo que escreveu para o Truthdig, pelo que aconselho a passar por lá.

Efectivamente concordo com o ponto de vista do autor do artigo, mas penso ainda que a não desistência da Clinton tem a ver com algo mais profundo nos EUA. A sua resiliência prende-se com o apoio que o seu partido lhe presta e que numa situação de equivalência preferirá a candidata que andou a preparar nos últimos 8 anos, ao novato com o novo discurso. Para além disso nas sondagens Barack contra McCain e Clinton contra McCain parece estar tudo muito equilibrado com ligeira vantagem para Barack. Contudo estas sondagens estão muito equilibradas. Caso no futuro próximo esta sondagem se desequilibre para um dos lados então o partido democrata terá que rapidamente impor um vencedor, caso contrário arrisca-se a depenar os cofres dos patrocinadores para a verdadeira campanha contra o partido republicano. Isto para além de andar a abrir feridas internas… e ninguém pense que os Republicanos vão ficar parados à espera que os Democratas se recomponham…

Uma resposta

  1. […] também: Eleições americanas… a acabar até Novembro? Eleições Americanas As Eleições […]

Os comentários estão fechados.

%d bloggers like this: