Uma (só?) pergunta a Steve Jobs

Ainda no seguimento do anúncio do SDK para desenvolvimento de aplicações para o iPhone, gerou-se uma discussão interessantíssima no twitter (ainda precisa de uma razão para se juntar e participar da melhor pool de discussão do planeta?) com o Levi Figueira e com o Luis Rei. O assunto também foi seguido pelo Phil e depois de ter passado algum tempo a reflectir não posso deixar de dizer algumas coisas. São as minhas opiniões, podem ser também as de outros, mas como opiniões que são não são estanques, nem são verdades absolutas… Cada um deve tomar a dosagem que quiser.

A apple produziu um aparelho apetitoso, isso não é discutível. Todos o querem e a apple sabendo isso decidiu que seria a sua vaca gorda para poder espremer enquanto puder…

Assim a meu ver, a apple decidiu criar dois tipos de taxas: Uma taxa ao utilizador final que para além de comprar o aparelho, tem que pagar um contrato durante 2 anos o que eleva o preço final para mais do dobro e do qual a Apple cobra uma percentagem. E agora com o SDK, uma taxa sobre os Developers que para verem as suas aplicações distribuídas tem que aderir ao programa da Apple pagando $99. Cobra ainda 30% do valor de venda do software (se o developer decidir cobrar alguma coisa, claro). Assim, a Apple cobra uma taxa a toda a cadeia desde a produção ao consumo.

Ora é sobre esta última taxa que se gerou grande parte da discussão, mas o que eu gostava de saber era o seguinte:

O Steve Jobs na apresentação do SDK para o iPhone disse que os 30% a cobrar pela Apple não tinham o intuito de “fazer dinheiro” mas apenas serviam para manter a loja das aplicações para o iPhone. Ora independentemente da legitimidade disto eu gostava era de saber como é que este valor de 30% foi calculado? Mais precisamente…

– Qual o valor estimado para o preço médio por aplicação?
– Qual o número de aplicações esperadas na loja?
– Qual a estimativa do custo de manutenção da aplicação na loja?

Com esta questões podíamos tentar perceber se 30% é muito, pouco, justo ou nem por isso. É que estamos a falar de software e isto quer dizer que quem produz com intuito comercial, sabe que o seu produto tem uma despesa extra de 30% para ser comercializado numa altura em que as margens de lucro andam muito, muito baixas para a maioria dos developers. Para além disso esta taxa não parece funcionar em termos de economia de escala. 30% para quem vender 10 aplicações é uma coisa… mas para uma aplicação popular que venda 100000 cópias é outra coisa completamente diferente e as despesas não crescem linearmente. Como justificar a mesma taxa?

Por fim resta a velha questão do iPod Touch vir a ter um preço diferente, por causa do sistema de contabilização, para o update para a versão 2.0. Ora se o problema é ter que cobrar alguma coisa porque não adopta a Apple um preço simbólico como quando fez com o update da Airport Extreme? E terá mesmo que cobrar alguma coisa ou é uma forma fácil de ganhar dinheiro nos países onde ainda não colocou à venda o iPhone? O Pedro Telles tem um excelente artigo onde desmonta esta falácia e explica o funcionamento da Vaca da Apple.

Em conclusão, o mundo iPhone a partir de agora não será naturalmente o mesmo, será melhor! Disso não há dúvidas, mas não me parece que venha a ser o sucesso de que todos falam. Principalmente por causa de uma comparação que o Phil me lembrou e que é muito apropriada.

Muitos compraram a PSP da Sony e muitos compraram jogos oficiais. A PSP é um sucesso e todos gostam… mas vamos fazer uma pergunta típica da PSP? Quantos jogos compraste para a PSP? e Quantos jogos “encontraste” no BitTorrent ou no Megaupload para a PSP?

Cada um que responda a esta questão como quiser, mas a verdade é que a PSP tem uma comunidade de Homebrew muito grande. O aparelho proporciona-se a isso, e muitos compraram o aparelho por causa disso mesmo.

O iPhone a partir de agora com o SDK fica melhor, muito melhor servido, mas também fica a comunidade de homebrew que agora tem a melhor plataforma do mundo para fazer o development (XCode), faltando apenas arranjar forma de fazer o bypass ao AppStore…

Atendendo a que todos os firmwares até agora foram quebrados, não vejo porque não acontecerá o mesmo com o 2.0… Bons tempos virão.

9 Respostas

  1. Mas não pode ser contornado distribuindo o código fonte e depois a pessoa compilar e instalar? Na apresentação do SDK eles fizeram isso, acho que é uma boa forma de fazer o bypass, vender o sourcecode + um applescript que abre o xcode, compila e instala. Será que isto funciona?

  2. Marco,
    não podes fazer isso porque depois de compilares a instalação no iPhone só é possível para quem pagar os $99 porque precisa da assinatura digital. Quem não pagar limita-se a experimentar no emulador.

  3. Não deixo de concordar com este artigo! A discussão gerou-se mais em volta da questão dos $99 serem ou não uma “taxa”! Aí discordo por achar que os $99 são um preço, justo, para o modelo de distribuição que a Apple “oferece” com a AppStore.

    Já a questão dos 30%… ui Ainda vai ter que correr muita água por baixo dessa ponte, até porque até Junho só podemos mesmo especular!

    E da mesma forma, ainda me quer cheirar que vai ser possível “passar” source code do Xcode e compilar para o iPhone “não oficialmente” de qualquer forma (mesmo sem jailbreaks ou modificações do iPhone) visto isso ser demonstrado na keynote, sem passar pela AppStore (que ainda nem existe!).

    A ver vamos… Eu não sou nenhum fanboy da Apple, mas não suporto ser-se do “contra” (não te estou a acusar)! Da mesma forma não gosto da malta que diz mal do Windows e nem sequer usa Windows! Uso o que me der mais jeito para a tarefa em questão. Como tal, o iPhone é o melhor telemóvel/portable device que alguma vez já usei e como tal estou disposto a cumprir a minha parte do “acordo” com a Apple (já não acontece o mesmo com a AT&T visto que não tenho contracto com eles, sendo que a opção de “GoPhone” – sem contracto – foi-me oferecida pelo próprio iTunes!)

    Abraço ;)

  4. @David

    O Marco levantou a mesma questão que eu! Estamos a falar de distribuir o source code, não o binário compilado! Se a Apple permitir correres aplicações “homebrew” no teu iPhone (o que aparentemente é verdade depois de ver a keynote), nada impede os developers, no bom espírito open source (que não é o mesmo que FREE right?;) distribuam o source code das apps para cada utilizador (mais savvy claro) compilar com o seu Xcode (que é gratuito)! :)

  5. @Levi,

    Sim, isso podes fazer, mas para meter o programa no aparelho vais precisar da assinatura digital. Ora para isso vais precisar de pagar $99… Ora tu podes dar o código fonte,… mas queres dar também a tua assinatura digital pela qual pagaste $99?

  6. David, puseste os pontos nos “ii”s com este teu artigo. Objectivo e bem articulado.
    Eu adoro o iPhone e nunca o vi (só o iPod touch que adorei logo mas como não é um telefone já não me interessa), mas o meu maior objectivo é ter um. Penso que a ideia das aplicações extra vai ser um factor importante para o iPhone quando surgirem as grandes ideias. A Apple fez uma boa jogada mas é sabido que tem de fazer um ecossistema que dignifique as partes envolvidas no processo. Os desbloquei-us existem por aí mas a Apple não poderia fazer algo semelhante. Acho que aquilo tudo que anunciou para o iPhone OS 2.0 é de se concordar. Acho que o sistema da Apple é correcto.
    Bom artigo!

  7. David: Acho que não precisas de passar a tua key, a key não é utilizada quando passas o binário para o iPhone? Se assim for pagas os $99 mas depois podes compilar e enviar todo o software que necessitares para o iPhone, ou seja, apenas precisas da tua key + o código fonte de qualquer uma aplicação sem a key de outra pessoa.

  8. @Marco,
    Esta bem explicito nos terms of service que só com o SDK+XCode não podes passar o teu programa para o iPhone… Agora se o que estás a dizer é que se todos os utilizadores tiverem um key… então podem compilar e meter o código no iphone. Ora isso era ainda melhor para a Apple que um modelo de loja, porque obrigava todos os utilizadores a terem uma chave digital… E aquilo que viste na apresentação foi a passagem de software de um programador que provavelmente já tinha a assinatura digital autorizada…

  9. Olha que não era melhor modelo para a Apple, pelo simples motivos que se tu tiveres a key ($99) e depois comprares o código fonte ao programador, nada te obriga a ser pela loja (itunes), podes comprar pelo site do programador o que para a Apple quer dizer $0. O que quer dizer que eles contigo ganhavam $99 uma vez, e não 30% + 30% + ….

    Isto ainda vai dar para fazer um negócio paralelo.

Os comentários estão fechados.

%d bloggers like this: