Uma tarde de Upgrades ao Macbook.

O que vou descrever pode envolver algumas actividades ilegais e portanto façam-nas se não tiverem problemas com a legalidade da coisa no país onde vivem.

O que motivou a efectuar o seguinte foi verificar a possibilidade e a facilidade com que os donos de um Macbook podem fazer um upgrade ao seu computador sem terem que recorrer ao serviço de terceiros. Para além do mais é um excelente projecto de fim de semana.

Como sabem tenho um MacBook CoreDuo de primeira geração com o Tiger 10.4.11, 2Gb de Ram e um disco de 60Gb… Seria bom conseguir fazer um upgrade a isto… talvez meter-lhe o Leopard e se possível mexer no disco que é manifestamente insuficiente. Mas pus-me a pensar se seria possível fazer isto sem gastar mais dinheiro.

Primeiro problema – Leopard. Não o comprei, mas o Macbook Pro que encomendei a semana passada já traz o 10.5.2 – Será que é possível utilizar os discos de instalação do MBP para colocar o Leopard no Macbook?

Experimentei e Não dá! Os discos são específicos para um tipo de Hardware e não funcionam noutra linha de macs…

Não desisti e pus-me a pensar! E se…

Primeiro que tudo, com o SuperDuper fiz um backup bootável para um disco Firewire de 3,5″ que tenho aqui.

Depois, meti o MacBook em Target Mode (Pressiona-se o T durante o Boot) e para todos os efeitos o mac ficou como um disco firewire. Liguei-o ao Macbook Pro através de um cabo firewire, e meti no MBP o DVD de restauro/instalação do computador. Mandei fazer a instalação do Leopard, mas ao escolher a drive para onde queria fazer a instalação escolhi o disco do meu Macbook que estava em Target Mode em vez de escolher o disco interno do MBP.

A instalação decorreu normalmente. Fiz a configuração inicial e o registo, criei um utilizador diferente dos que tinha antes (mais sobre isto a seguir) e por fim pude fazer shutdown ao MBP. Desliguei o Target Mode do Macbook e fiz reboot… e um Leopard perfeito apareceu. Hora de abrir o Migration Assistant e importar a tralhada toda que estava no disco de 3,5″ … 40 Gb depois… tinha de volta ao Macbook o meu utilizador com o meu login normal. Depois de fazer login com o meu login apaguei o utilizador temporário que tinha criado. É necessário utilizar um utilizador temporário porque senão o Leopard pede para mudarmos o login ao utilizador que estamos a importar.

E agora com tudo instalado, problema número 2: que tal o disco? Tinha aqui dois discos de 2,5″ externos USBs… daqueles que agora são vendidos como papo-secos. Um de 80GB e outro de 160GB. Peguei no maior e abri a caixa com cuidado para verificar que aquilo lá dentro não era mais que um controlador SATA USB e um disco SATA de 160GB… Ora é isto mesmo que preciso. Voltei a ligar este disco via USB para fazer backups do que tinha lá. Formatei-o e utilizei novamente o SuperDuper para clonar a minha instalação novinha do Leopard para o Disco USB.

Este é o passo lento. A ligação USB é tão rápida como uma vara em peregrinação num campo de lama… numa ligação Firewire conseguem-se velocidades de transferência muito superiores, mas não havia nada a fazer aqui. Apenas tomar um café… e esperar. (2h30m depois tinha no disco de 160GB um clone do disco do Macbook de 60GB). No fim da clonagem é só fazer shutdown à máquina e proceder à alteração de discos.

No Macbook a alteração de discos é muito simples e pode ser efectuada por qualquer um. Retira-se a bateria e de seguida os 3 parafusos que suportam uma placa em L. No lado pequeno do rectângulo que fica à mostra está o disco, mais ou menos na zona da palma da mão direita.

O disco tem um dispositivo com uma pega que ajuda a puxar o disco para fora. Contudo para retirar este dispositivo para o colocar no novo disco é preciso uma chave Allen T9 ou mesmo T8 pelo que convém verificar se a tem por perto antes de se aventurar. A posição dos parafusos talvez dê para utilizar um alicate mas não é muito prático.

Trocam-se os discos, volta-se a fechar tudo e pelo caminho se ainda não fez upgrade à RAM aproveite esta altura para verificar as slots onde pode fazer o upgrade antes de colocar a tampa em L. Mete-se a bateria no local e liga-se a máquina.

Se tudo tiver corrido bem deve ter um MacBook com um disco de 160GB… instalado. Quanto ao disco velho de 60Gb meti-o no enclosure do de 160GB e está ali guardado como Backup do Macbook podendo ser utilizado como disco externo USB.

Na primeira vez que se faz boot com o novo disco o boot vai ser um pouco mais longo porque o Mac vai identificar o novo disco. Para além disso convém fazer logo de seguida um restart para que ele regenere as caches de boot.

Notas finais:

Se fosse fazer isto outra vez, tinha feito o upgrade ao Disco antes de fazer a instalação no MBP. Dessa forma não tinha o trabalho de fazer a segunda clonagem o que iria poupar tempo.

Versão Resumida:
1. Backup para Disco Firewire com SuperDuper
2. Meter o MacBook como Target Mode e ligar os dois computadores com um cabo Firewire
3. No MBP Instalar o Leopard no Disco do Macbook (Aparece como um disco Firewire)
4. No Macbook Utilizar o Migration Assistant para importar os nossos dados do Backup 1.
5. Clonar o Disco do Macbook com o SuperDuper para um disco 2,5″ maior.
6. Trocar o disco do Macbook pelo clonado.

Ver ainda:
Preparando-se para o Leopard

Advertisements

2 Respostas

  1. Eheheheh!
    Este tipo é doido… Por isso é que eu o curto. Gostei particularmente da parte de upgrade ao disco. Isso deu-me ideias… A parte do SO, pronto, como trabalho em Ubuntu, não tenho grandes necessidades dessas acrobacias, mas achei cinco estrelas. Resumindo, conseguiste fazer aquilo que o utilizador mais totó acha que consegue fazer: copiar programas que tem intalado de um computador para outro, sem o “instalador”. Estás a ficar um autêntico “totó”, eheheh!

    Um abraço Dave!

  2. […] também: Uma tarde de upgrades ao Macbook O meu MAC não arranca!!! Preparando-se para o Leopard Macbook […]

Os comentários estão fechados.

%d bloggers like this: