Yahoo acaba com DRM! Clientes queixam-se?

Há boas notícias às quais imprensa gosta de dar a volta para servir interesses que não percebo. Quando a Microsoft decidiu acabar com os servidores de autorização das músicas com DRM, todos se revoltaram, o que levou a Microsoft a voltar atrás. Agora é a vez do Yahoo! anunciar que vai desligar os servidores que autorizam as músicas com DRM a tocar num determinado computador e novamente as queixas parecem estar a subir de tom.

Estamos a assistir ao fim do DRM e os patos que compraram música com DRM queixam-se que podem ficar sem poder ouvir as suas músicas no futuro. Para já o Yahoo garante que mesmo após o desligar dos servidores de autorização as pessoas podem continuar a ouvir as músicas no computador onde as tiverem (até que mexem a fundo no OS). Mas esperem, as pessoas compraram as músicas, e se tiverem que formatar o computador?

O irónico é que o Yahoo sugere que as pessoas gravem CDs de música (que não contém DRM) para preservar dessa forma as músicas que comprararam. Então agora já não há problema em dar a volta ao DRM?

O extraordinário é que os clientes que compraram música com DRM agora parecem fazer muito burburinho, queixando-se que não vão poder ouvir a sua (deles? dream on) música. Preocupações essas que estão estranhamente a ter eco na imprensa. A verdade é que quando essas músicas foram compradas não ouvimos esses mesmos clientes a queixar-se do DRM.

Parece-me que por detrás destas notícas há mais que simples clientes descontentes. Há a indústria do cinema a tentar fazer passar a ideia que ao DRM não é assim tão mau porque ainda depende dele a 100% para controlar a distribuição, zonas e afins e a ideia de que o DRM morreu efectivamente é má para o seu negócio. O que aconteceria se os tais clientes que agora se queixam do fim dos servidores de autorização do Yahoo, começassem antes a reclamar do DRM dos filmes Blu-Ray e se recusassem a comprar músicas ou filmes com DRM? Ou então que passassem a procurar música em locais alternativos, ou mesmo procurar no google mp3?

O DRM é mau, errado e cerceador das nossas liberdades. A notícia do fim dos servidores de DRM do Yahoo devia ser louvada como positiva, não como um cataclismo como alguns pretendem fazer passar.

Música: Universal e Sony no salto em frente

A editora de música Universal rompeu os contractos que tinha com a Apple para a distribuição de música na iTunes Music Store e prepara-se para criar um serviço concorrente. Até aqui nada de mal e toda a concorrência é salutar por forma a evitar o comportamento monopolista da Apple. O que eu estranho é que estas multi-nacionais super poderosas continuem a a não perceber qual é o problemas das suas lojas.

Continuar a ler

Quando a rádio toca…

O mundo da música está a conhecer em 2007 uma verdadeira mini-revolução. Tudo porque este ano até à data vivemos alguns marcos importantes.

Continuar a ler

Amazon MP3 sem DRM

laggos_268204032798.jpgParece que a Amazon se vai dedicar também a vender música livre de DRM. Para já a loja da Amazon apresenta preços mais competitivos que os da iTunes music Store e melhor ainda, tudo sem DRM. Para além disso apresenta um excelente suporte para Mac OS X.

As compras de música podem ser feitas directamente através de um browser, mas a compra de álbuns completos é feita com a ajuda de uma aplicação de gestão dos downloads que integra as músicas compradas com o iTunes. De momento a Loja da Amazon apresenta cerca de 2 milhões de músicas sem DRM com preços entre 0.89$ e 0.99$ e álbuns a começar em 4.99$.

Com estes preços, mais baratos que os do iTunes, sem dúvida que a loja da Amazon se prepara para ser uma grande alternativa ao serviço da Apple. Por outro lado tem o defeito de só aceitar dólares, pelo que não será muito prático para europeus, a menos que alguém tenha uma conta na moeda dos americanos. Para além disso com o euro a 1,4 dólares… se alguém conseguir comprar em dólares vai ficar muito bem servido, porque quando isto estiver disponível oficialmente na Europa certamente que os preços serão feitos com um câmbio 1:1.

Musorg: Editor de Tags ID3

Musorg: ”
Musorg allows you to easily organize your music collection. Supports simple tag editing, freedb lookups for correct Id3 tags and files and/or directory renaming.”

Por vezes a edição das Tags dos nossos ficheiros MP3 no iTunes não é suficiente porque o iTunes tem uma personalidade própria no que toca à forma como se deve editar essas Tags. Havia o ID3 Editor da Pa-Software, mas era pago. Agora surgiu um novo editor de id3 de mp3 gratuito. Ainda é um software recente, mas promete evoluir nos próximos tempos. Para além do mais é distribuído com as sources sob uma licença GPL2 o que permite a quem quiser atirar-se de cabeça a melhorar este editor.

Artigos Relacionados: Música

MP3: Procurar música no Google

Este Blog Mudou-se para um domínio Próprio:
Este artigo está em: SIXHAT.NET

Procurar downloads de música online normalmente passa por utilizar programas de P2P (Peer to Peer). Os tais programas que a RIAA gostava que fossem todos interditos. Acontece que é muito simples encontrar música online pronta a descarregar, mesmo sem se utilizar qualquer programa de P2P.

O Google é talvez a melhor forma de se procurar música das nossas bandas preferidas para que possamos fazer download. Muitas pessoas colocam a música em pastas partilhadas em servidores universitários ou semelhantes, levando a que o Google as indexe. O truque está em perceber se conseguimos aproveitar essa possibilidade para procurar mp3 no Google. Já tinha demonstrado a possibilidade de fazer pesquisas, no artigo Procurar MP3 no Google através do lançamento do Widget para o Dashboard. Agora vamos brincar directamente na caixa de pesquisa do Google.

Assim para aproveitar essas páginas de índice de directorias que os servidores geram dinamicamente, experimente introduzir na caixa de pesquisa do Google o seguinte texto (Pode clicar no Link que é directo):

intitle:index.of “mp3” -htm -html -php -asp “Last Modified”

Como pode ver na janela de resultados obteve imensas listagens de música que está disponível para download.

Agora se quisermos, podemos restringir mais alguns resultados por exemplo a Billie Holiday:

intitle:index.of “mp3” -htm -html -php -asp “Last Modified” Billie Holiday

e logo no primeiro resultado temos músicas da diva.

Se não pretender andar sempre a introduzir o texto faça um bookmark do primeiro link ou se utilizar um Mac pode descarregar o widget para o Dashboard. Este Widget permite a pesquisa exactamente com os termos anteriores.

Lembre-se que fazer download de música sem licenciamento com copyright é ilegal e nos termos da lei dá cadeia. Se realmente gosta da música então suporte os artistas e compre os álbuns. Note também que alguns senhores sabendo desta característica criaram sites de directorias falsas para serem indexados nestas pesquisas. Cabe-lhe a si ter o discernimento de utilizar estas funcionalidades com propriedade.

Tags: , google, music,

Artigos Relacionados:
Música
Procurar MP3 no Google
MP3: Está tudo na Internet
Quando a rádio toca

Música sem DRM com email escondido!

“Oh! Steve, Steve… não havia necessidade,…” diria um uma personagem da TV portuguesa há alguns anos.

O acordo tão louvado entre a Apple e a EMI há algum tempo, de repente parece estar a transformar-se num desastre de relações públicas. A descoberta de que os ficheiros Fairplay-Free afinal não são tão livres assim, incluindo nos dados do ficheiro informação sobre quem comprou o ficheiro, incluindo o email. Ora mais uma vez não havia necessidade de tamanho disparate.

Com isto o iTunes Plus não passa de um engano. As pessoas vão-se sentir violadas nas sua privacidade e penso que pode ser um show-stopper para muitos que pensavam em utilizar o novo sistema de compras.

Eu sei que uma amiga minha gosta muito de uma dada música. Decido fazer-lhe uma surpresa, compro a música no iTunes e envio-lha por email. Ela pega nela e mete-a num P2P! O que me acontece?

1) A EMI pode vir atrás de mim para me processar.

2) O meu email é adicionado a uma base de dados por alguém do P2P e enchem-mo de Spam, para além de ficarem com alguns dados da minha conta no iTunes.

Ou seja, a inclusão de algum tipo de identificação do cliente no ficheiro áudio é mau, muito mau mesmo. É como se fossemos comprar um maço de tabaco e a tipa da tabacaria nos dissesse que tinha que meter o nosso número de contribuinte em cada uma das beatas!

Artigos Relacionados: Música